quinta-feira, outubro 24, 2013

André

dos corpos eclipsa-se
a adversidade do atrito
tudo se torna macio
reverberação
rocha húmida
áureo de sol
luarmente prateado
sal fresco
- não há coerências
nem que mencionar
contrários

o que são prédios?
o que são estradas alcatroadas?
ouço água, águias
o gelo canta
tangido por um fio de cabelo
gigante
- quando bate na acqua
esta suspira mater



(forjado para o André, que nasceu ontem, enquanto ouvia Julianna Barwick, no Teatro Municipal Maria Matos)



Nenhum comentário: